Top 10 4 de julho

Muito provavelmente, sem a popularidade do cinema estadunidense (recuso-me a falar norte-americano), o 4 de julho não seria tão conhecido na esfera mundial como de fato é.

4 de julho é significado de patriotismo exacerbado, de louvação aos grandes presidentes, generais e colonizadores da “América livre”. É claro que para o ufanismo existe o contraponto da crítica, que ajuda a amenizar a histeria com o que é difundido pela cultura cinematográfica. Vide a isso exemplos de filmes como “Apocalypse Now“, “Nascido Para Matar” e “A Mulher Faz o Homem“.

Abaixo, segue lista de 10 filmes que massageiam o ego da patriotada do norte.

10º – O Resgate do Soldado Ryan ( Saving Private Ryan/Steven Spielberg)

Neste clássico de guerra, é marcante o realismo das cenas – em especial, a do desembarque das tropas nas praias da Normandia, e o maniqueísmo não é gritante, quando se retrata os soldados alemães.   Contudo, a aparição da bandeira dos EUA tremulando na cena inicial e na final traz um resquício a la “4 de julho” na obra de Spielberg. 

 

 

 

9º – O Álamo ( The Alamo/John Wayne)

John Wayne, conhecido pelo seu conservadorismo, sempre traduziu nas telas a imagem de “bom moço  defensor dos ideais de seu país “. Na direção deste filme de 1960, John Wayne traduz o “espírito leal e corajoso” dos pioneiros, quando confronta estes com as “malfadadas” tropas mexicanas disputando o território do Texas, antes sob o domínio mexicano.  

 

 

8º – Pearl Harbour (Pearl Harbour/ Michael Bay)

Como diria uma música do filme “Team America“: “Pearl Harbour” é uma bosta. Direção histérica de Michael Bay, um triângulo amoroso de fazer vergonha a  elenco de novela do Wolf Maia: Ben Affleck, Josh Hartnett e Kate Beckinsale.  E ainda tem o ufanismo. Ah,é, tem isso também. Mas ninguém percebe muito, porque o filme já é uma bosta antes de analisarmos esse aspecto. 

7º – Fomos Heróis ( We Were Soldiers/ Randall Wallace)

Junte Mel Gibson com o roteirista de “Coração Valente” dirigindo essa produção. Acrescente a isso uma história de bravura indômita e lealdade ao país. Eis o resultado de “Fomos Heróis”.

 

 

 

6º – Os Boinas Verdes (The Green Berets/ John Wayne)

John Wayne rema contra a maré do cinema político dos EUA dos anos 60. Neste “Os Boinas Verdes”, de 1969, ele reforça seu apoio aos EUA na impopular Guerra do Vietnã. Reforce-se a isto a procura em mostrar a supremacia militar das tropas, que, na realidade, mostrava-se combalida e frágil.

 

 

 

 

5º Força Aérea Um ( Air Force One/Wolfgang Petersen)

O presidente dos EUA, Harrison Ford, faz justiça com as próprias mãos ao salvar o avião mais seguro do mundo ( o avião presidencial), do ataque de terroristas estrangeiros. Precisa explicar o porquê deste filme ser o 5º da lista?

 

 

 

 

4º Independence Day ( Independence Day/Roland Emmerich)

O presidente dos EUA (Bill Pulmann) é, como no filme acima, a figura principal. Só que este ganha do presidente de Harrison Ford porque salva o MUNDO! E não somente um reles avião presidencial com um bucado de passageiro dentro. Cumpre reiterar que MUNDO é a mesma coisa que Estados Unidos da América nestes filmes. Parece que a única intenção dos alienígenas no filme é somente destruir a paz e a liberdade nos EUA, o resto do planeta é mera brincadeira.

 

 

 

 

3º Rambo 2 – A Missão ( Rambo 2/George P. Cosmatos)

O destemido John Rambo, na cara e na coragem, liberta um bando de prisioneiros norte-americanos no sudeste asiático, onde a cobra fuma. E tome bala nos amarelos.

 

 

 

 

 

 

2º O Patriota (The Patriot/ Roland Emerich)

Junte Mel Gibson e seu ódio pelos ingleses (vide Coração Valente) com Roland Emerich (diretor de Independence Day), na batalha pela independência norte-americana. Festival de choros, injustiças, enfim – tudo o mais que agrada aos olhos de todo bom patriota, até mesmo o título. 

 

 

1º O Nascimento de Uma Nação (The Birth of a Nation/ David W. Griffith)

Este marco do cinema, de 1915, relata a Guerra de Secessão americana sob a ótica sulista escravocrata. Destaque em especial para o vilão negro retratado no filme como um homem perverso e manipulador. D.W. Griffith, o diretor do filme, foi acusado de racismo, tanto que em sua obra seguinte: “Intolerância”, procurou amenizar as críticas. Porém, o patriotismo americano – encarnado pelo branco conservador – tem muito de influência deste filme ainda hoje.

Anúncios

6 Responses to Top 10 4 de julho

  1. mnazian disse:

    massa, ygor

  2. mnazian disse:

    atualiza essa porra

  3. mnazian disse:

    idiota

  4. Bella disse:

    adorei a garimpada “4 de julho”, mas quero textos novos por aqui, hein?

  5. mnazian disse:

    filho da puta

  6. mnazian disse:

    chupa aqui, ygor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: